Av. Santo Antônio, 1090, Vila Osasco, Osasco, SP - CEP 06086-060 | Tel.: (11) 3681-8611

Catedral de Santo Antônio

Notícias da paróquia › 18/03/2021

“Deus está trabalhando e operando milagres nesse momento”

Estamos realizando o Tríduo de São José em nossa Catedral de Santo Antônio.  Na homilia desta quarta-feira, Diácono Vinícius falou sobre o ofício de São José e sobre os milagres que Jesus está operando em nossas vidas a cada minuto. Confira abaixo na íntegra a homilia:

A intenção especial dessa Santa Missa, coloca todos os trabalhadores e trabalhadoras, trazendo um dos aspectos centrais da vida de São José. São José é chamado nos evangelhos como sendo o carpinteiro. Nos Evangelhos Sinóticos (Lucas, Marcos e Mateus) Jesus é apresentado como o filho de José o carpinteiro. São José era trabalhador e ensina ao menino Jesus o ofício da carpintaria. Jesus sendo o Verbo Encarnado e a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é a palavra pela qual o Pai cria todas as coisas. No Evangelho de hoje escutamos da boca de Jesus: meu Pai trabalha, eu também trabalho. Meu Pai trabalha sempre, eu também trabalho. Desde toda a eternidade, Pai, Filho e Espírito Santo estão o tempo todo, constantemente trabalhando. O Pai cria na Palavra que é Cristo, pela força do seu Espírito. Se Jesus desde toda a eternidade é a Palavra, pela qual tudo foi criado, é no gesto de humildade, que aquele que é a Palavra Criadora de tudo, aprenda um trabalho, aprenda uma profissão do seu Pai, criado pelo Pai dos Céus. Tudo aquilo que é assumido é redimido, tudo aquilo que Jesus tocou, tudo aquilo que Jesus tomou para si, por Ele foi salvo. Se Deus é trabalhador, porque cria o tempo inteiro, porque o tempo todo está trabalhando para a nossa salvação, mais ainda Deus se fez trabalhador humano, como muitos de vocês, como todos vocês, queridos irmãos e irmãs, que estão nos acompanhando.

Trabalhadores e trabalhadoras que lutam todos os dias, e que honestamente suam nas mais diversas profissões para ganhar o seu pão de cada dia, respondendo a uma vocação dada por Deus. Deus, além de ser trabalhador na Obra da Criação, em Jesus Cristo, se fez um homem trabalhador, que aprendeu de São José o humilde ofício de carpinteiro. São José ensinou o menino Jesus a ser um menino decente, a ser um homem de Deus, um homem trabalhador, um homem que com o trabalho das próprias mãos e o próprio suor, buscasse sustentar o Lar de Nazaré. Muitas são as lições que a casinha santa de Nazaré tem a trazer para nós. Ali, na vida escondida, o menino Jesus aprendeu de Maria e de José a ser um bom homem. Naquelas lições de amor, transmitidas na Santa Casa de Nazaré, muitas outras lições são transmitidas as famílias e aos trabalhadores de hoje. São José, humilde carpinteiro de Nazaré, que ensinou o menino Jesus o seu ofício, o seu trabalho, ensina a cada um de nós a mantermos o nosso coração em Deus, enquanto as nossas mãos estão no trabalho. A querida irmã Mirian Teresinha Colling, grande compositora de muitos cantos que hoje animam as nossas celebrações, compôs uma missa toda para São José e no canto de apresentação das ofertas dessa Santa Missa, ela escreveu que o trabalho era a missa de José, que sustentava Maria e Jesus em Nazaré. Missa é sacrifício. Através do trabalho de São José ele oferecia a Deus o seu sacrifício santo. São José nos ensina a fazermos do trabalho um sacrifício semelhante ao sacrifício da Missa. Na hora que o padre abre o corporal e coloca a patena, nessa hora somos chamados a oferecer no Altar do Senhor tudo aquilo que nós somos, tudo aquilo que temos, inclusive o nosso trabalho de cada dia. Você meu irmão, minha irmã, você que está desempregado, aprendamos essa primeira lição do glorioso São José, a fazer do nosso trabalho, do nosso ofício, um sacrifício oferecido de maneira agradável para Deus. O Evangelho de hoje (Jo 5,17-30) é uma continuidade do Evangelho de ontem (Jo 5,1.16), quem participou do primeiro dia do Tríduo de São José, o Evangelho de ontem trazia  Jesus entrando no Templo de Jerusalém,  encontrando na piscina de Betesda, um homem que havia trinta e oito anos paralítico e estava à beira da piscina esperando que alguém o ajudasse, porque  de vez em quando, um anjo descia, sacolejada as águas e a partir do toque do anjo, o primeiro doente que pulasse dentro, alcançava a cura. Ontem a própria palavra de Jesus levou aquele homem a se levantar sem precisar mergulhar na piscina de Betesda, porque Aquele que era água viva, havia lhe dado a cura. Hoje Jesus é questionado pelos Judeus: Por que é que você curou esse homem em dia de sábado? Você meu irmão, minha irmã, trabalhador, trabalhadora, veja a resposta do senhor: Meu Pai trabalha sempre, eu também trabalho. O que significa trabalhar? Cada vez que nós trabalhamos nós tomamos parte na obra criadora de Deus. Deus está trabalhando sempre, agora no meio de uma pandemia, com mais de 2 mil mortos no dia de ontem, o que Deus está fazendo? Deus está trabalhando. Agora, enquanto a gente está padecendo sem socorro, até enquanto eu e o Padre Thiago conversávamos hoje, em certos lugares do Brasil chegou-se ao ponto de precisar escolher, quem morre, quem vive, praticamente isso, porque não há mais leitos. Enquanto cidades daqui da nossa região já registram 100 % de ocupação de leitos de UTI, onde está Deus diante disso tudo? Deus está trabalhando, o tempo inteiro e sem parar. Com todo o perdão da palavra Deus não faz “bico”, não trabalha só quando vem a oportunidade, não trabalha só quando é chamado, não trabalha só quando isso é possível. Deus trabalha sempre! O Trabalho de Deus tem três características: é ordenado, tem começo, meio e fim. O trabalho de Deus é criativo. Deus sempre faz coisas novas e o trabalho de Deus é constante. Nesse exato momento, como diziam os papas que comentavam o Evangelho. Deus está trabalhando, bem agora alguma estrela deve estar nascendo em algum canto; bem agora um óvulo deve estar sendo fecundando por um espermatozoide e acontecendo a obra da criação; bem agora  uma semente deve estar brotando da terra, bem agora Deus  deve estar dando a sua força e seu sustento a quem está desempregado; bem agora Deus está visitando os leitos dos hospitais , bem agora Deus está dando a força necessária para quem está doente, a quem trabalha nas UTIs, nos  pronto atendimentos. Deus está trabalhando dando força a milhões de católicos que estão nas suas casas sustentando, na fé e na esperança, a fé e a esperança na Igreja Católica. Deus Trabalha ajudando seus sacerdotes, dando a sua Graça e a sua força aos Bispos da Igreja do Brasil, sustentando os presbíteros, que tem as suas igrejas fechadas e que rezam com o coração solitário, mas confortado pela doce presença do Senhor. Deus está trabalhando, fazendo surgir a luz, quando nós estamos parecendo que estamos tateando em túnel escuto. Minha oração e tua oração neste momento, nos trazem uma resposta, ainda que agora a nossa vida pareça um túnel, onde a gente vai tateando sem saber onde vai chegar. Deus é que nos conduz. E é Ele que vai nos fazer chegar ao final, a saída, onde Ele que é a Luz suprema e está transformando tudo: Meu pai sempre trabalha, eu também trabalho. O trabalho de Deus é criar e salvar e é o que Ele está fazendo agora. Na primeira leitura de hoje tirada do livro do profeta Isaias, o profeta da consolação numa época em que o povo estava no exílio. Nós lembramos da palavra exílio todo dia. Na oração do Salve Rainha nós pedimos a Nossa Senhora, depois desse exílio, depois desse desterro, mostre-nos, Jesus bendito é o fruto do vosso ventre. Exílio… talvez nós estejamos se sentindo assim. Talvez quem esteja desempregado, esteja se sentindo assim, desesperado, num exílio, como o povo de Deus também se considerava. Perderam a terra prometida, perderam seus sonhos, perderam a sua vida, perderam tudo aquilo que tinham planejado. Veio o rei Nabucodonosor e os colocou na Babilônia e é nesse exílio que o povo pensa que Deus se esqueceu deles, que Deus lhes havia abandonado, porém o Pai trabalha sempre. E é justamente na hora do exílio que o Pai envia Isaias para dizer ao povo: ainda que uma mãe se esqueça do seu filho eu não me esquecerei de ti. Acaso pode a mulher se esquecer de seu filho pequeno ao ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, eu, porém não me esquecerei de ti. E hoje a Igreja brada aos céus respondendo com esse belíssimo Salmo 144: o Senhor é amor fiel em sua palavra, é santidade na obra que ele faz, Ele sustenta aquele que vacila e levanta aquele que tombou. Na metade do evangelho de hoje, Jesus diz que todos aqueles que estão mortos se levantarão pela força da sua palavra. Não é só quem está morto na carne. Falar de morte nesse tempo é tão difícil. Falar de morte hoje dói o nosso próprio coração, dos sacerdotes, dos diáconos que temos que lidar constantemente com o sofrimento do povo. Jesus levanta na força da sua palavra todos aqueles que tombaram mediante ao pecado, mediante ao erro, mediante as tribulações, no Evangelho de ontem, pela palavra de Jesus aquele paralítico de 38 anos se levantou e hoje, Jesus confirma isso, pela sua palavra. Está chegando a hora em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus e os que a ouvirem viverão. É a Palavra criadora de Deus, é a Palavra criadora desse Deus que está sempre trabalhando para cuidar de nós e para nos levantar e que fará todos aqueles que o escutam ressuscitarem, viverem. Talvez tenha muita gente que está nos acompanhando, que está sem vontade de viver, que já está sem vontade de continuar. Tanta gente que tem perdido o ânimo, que já está sem vontade de viver. Tanta gente que está se desesperando e é difícil a gente manter a calma e a paciência numa hora em que tudo a nossa volta só fala de morte. E está chegando a hora em que todos aqueles que estão mortos escutarão a voz de Deus e se levantarão. A hora é agora! Todos os que estão desanimados, que estão tristes, que estão sozinhos, que já perderam as forças e a vontade de lutar, meu irmão e minha irmã, permita nessa Santa Missa, por intercessão de São José, que a voz de seu divino Filho, Ele que é a Palavra pela qual tudo foi criado te renove, me renove e nos renove e nos levante agora! Que nós possamos ao final desse Tríduo, unidos a Maria e José, cantar, agradecidos a infinita misericórdia de Deus. Deus sempre está trabalhando e está nesse momento operando uma obra na vida de toda humanidade, na vida de todo o Brasil, nosso Senhor Jesus Cristo termina a Palavra de hoje dizendo que todos aqueles que morreram ressuscitarão, seja para a vida, seja para a morte eterna. E Ele fala no Evangelho que não condena ninguém, quem julga é o Filho. E como é que Jesus vai nos julgar? Jesus nos julgará quando nós fecharmos os nossos olhos dessa vida e chegarmos na sua presença e seremos confrontados com Ele. Ele é aquilo que eu e você deveríamos nos ter tornado. Nós sozinhos vamos perceber o que Ele é e a que distância nós estamos d´Ele. Permitamos que a sua Palavra nos levante da nossa morte, nos levante da nossa tristeza e nos levante das nossas quedas. Para que quando chegar a hora (e ninguém morre na véspera, o Senhor sabe muito bem qual é a hora preparada para cada um de nós) Ele possa dizer a cada um de nós: vinde benditos de meu Pai para o reino para vós preparado. Deus está trabalhando, está operando nesse momento, uma obra na vida de todos nós. Que isso nos sirva de ânimo e de alento. A palavra de Deus tem poder, tem força, a grande prova disso é o Santo em que nós celebramos hoje: São Patrício, glorioso São Patrício, intrépido evangelizador, missionário, levou o Evangelho de Jesus para as terras da Irlanda e nós lembramos daquele que por anos foi vigário aqui na Catedral, o padre Thomas Josef Scott, irlandês, muito devoto de São Patrício. São Patrício era um pagão convertido que descobriu a força da Palavra de Deus e que levou essa mesma palavra a uma terra onde quem tinha poder eram as plantas, eram os raios, a água, a natureza, a Irlanda era dominada pela religião Celta, uma religião onde tudo tinha poder, que acreditava em duendes, em fadas, em bruxarias, e mais poder do que tudo isso tem a Palavra de Deus, que o jovem Patrício descobriu e consagrado bispo foi até a Irlanda. Motivado pela força da Palavra de Deus, São Patrício expulsou todas as serpentes do território Irlandês. É por isso que tradicionalmente as imagens de São Patrício têm serpentes nos pés. Ele escreveu aquela bonita oração chamada Couraça de São Patrício, onde ele invoca a proteção da Santíssima Trindade. Se os Celtas adoravam os vegetais, São Patrício pega um trevo e ensina aquele povo. Assim como uma planta tem três folhas, assim é o nosso Deus, em três pessoas é único. Que São Patrício interceda por todos nós, para que, descobrindo a força da Palavra de Deus, creiamos que ele está trabalhando ao nosso favor e expulse para longe de nós, pela força da sua Palavra todas as serpentes que contra nós se levantam. Meu Pai trabalha sempre, eu também trabalho! Deixemos que Deus trabalhe na nossa vida! Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Localização da Catedral